Nova regra da CEF para financiamentos deve paralisar mercado de usados

STJ decide ação de corretagem contra consumidores
26 de dezembro de 2017
Os três F’s do franchising
26 de dezembro de 2017

Nova regra da CEF para financiamentos deve paralisar mercado de usados

A Caixa Econômica Federal, maior agente financiador de imóveis no Brasil, mudou as regras e a partir de agora, só financia 50% do valor dos imóveis à vista. Certamente vai haver uma paralisação no mercado imobiliário, pois em tempos de crise, poucos terão a chance de possuir tantos recursos para dar à vista.

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta semana que mudou as regras para o financiamento de imóveis usados, reduzindo de 80% para 50% o valor máximo para financiamento. Ou seja, a partir de agora, quem quiser comprar um imóvel usado, precisará desembolsar à vista 50% do valor total do imóvel.

Essa medida torna a aquisição da casa própria inviável para grande parte da população e certamente vai paralisar o mercado de usados no Brasil e criar uma crise ainda maior no mercado imobiliário.
O mais curioso é que ainda existe um mistério sobre a razão desta medida, já que para imóveis na planta, as regras permanecem iguais e o comprador poderá financiar 80% do valor total, o que vai beneficiar ainda mais as construtoras, que mantêm contratos milionários com a CEF.

Esta nova regra privilegia as construtoras, que estavam incomodadas com a queda em seus lucros nos últimos trimestres e também com a acirrada competição com o mercado de imóveis usados.

A partir de agora, a tendência é um crescimento nas vendas de imóveis na planta, pois aqueles que planejavam comprar um usado vão se sujeitar ao novo por pura falta de opção, já que não dispõem de 50% do valor para dar à vista.

Concomitante ao crescimento das vendas de imóveis na planta, certamente vai haver um crescimento no número de distratos.

Isso porque, embora ninguém compre o imóvel pensando em ter que devolver à construtora, muita gente vai optar pela compra do novo sem saber o que está por trás do preço. Ou seja, desconhecem a incidência da inflação (INCC – Índice Nacional da Construção Civil) no saldo total do imóvel enquanto a obra não fica pronta. Por isso, o preço final vai ficar bem maior do que o original e quem não se planejou pode não ter renda suficiente para aprovar um financiamento. Neste caso, o único caminho é desfazer o negócio.

Mesmo nestes casos, o consumidor tem o direito de receber de volta entre 85% e 90% de tudo o que pagou, corrigido monetariamente. Mesmo se não houver acordo diretamente com a construtora, pode pleitear seus direitos na Justiça com grandes chances de êxito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *